Mente Cérebro
Clique e assine Mente Cérebro
Notícias

Uma boa conversa pode melhorar seu humor

Pessoas mais felizes costumam manter diálogos construtivos e inteligentes, falando do que realmente pensam e sentem, de seus planos e desejos

outubro de 2010
PASSEIO PELO LAGO, ÓLEO SOBRE TELA, AUGUST MACKE, 1913, COLEÇÃO PARTICULAR
BATE-PAPO DO BEM: não basta ter companhia, é fundamental confiar naqueles com quem convivemos a ponto estarmos seguros para dizer o que acreditamos e tememos
Está se sentido desanimado ou de mau humor? Emitir comentários ou propagar boatos não vai ajudar em nada. Já uma boa conversa sobre o que os interlocutores realmente pensam e sentem pode ajudar a levantar o astral. Pelo menos é isso que garante um estudo recém-publicado no periódico Psychological Science. Para chegar a essa conclusão pesquisadores das universidades do Arizona e de Washington, nos Estados Unidos, usaram um aparelho discreto para gravar a conversa de 79 estudantes durante quatro dias. Depois analisaram os discursos e determinaram quantas de suas falas foram superficiais e banais (“O que você está comendo? Pipoca?”) e quantas pareciam mais significativas e “profundas” (“Como você está se sentindo em relação a essa situação? O que pensa sobre aquele assunto?”).

Após a avaliação dos discursos, os especialistas pediram aos voluntários que respondessem questionários e que seus amigos próximos relatassem quanto pareciam estar felizes e satisfeitos com a vida que levavam. Por meio da junção dessas respostas os cientistas conseguiram “medir” o bem-estar dos voluntários.

Os “felizes” passaram 70% mais tempo conversando sobre assuntos consistentes (como ideias, planos, desejos, sentimentos ou mesmo inquietações). Segundo o psicólogo Matthias Mehl, pesquisador da Universidade do Arizona e um dos coordenadores do estudo, esse fato sugere que o tempo que uma pessoa gasta na presença das outras é um bom indicativo de seu “nível de felicidade”. Mas não basta ter
companhia é fundamental cultivar relacionamentos sólidos e confiar naqueles com quem convivemos – ou pelo menos em alguns – a ponto de nos sentirmos seguros para expressar o que realmente acreditamos, queremos e tememos.

Os voluntários satisfeitos tiveram duas vezes mais diálogos “importantes” que os demais. Mehl admite que é difícil determinar causa e efeito: ele reconhece que não sabe se uma interação construtiva pode tornar as pessoas mais contentes ou se os mais felizes tendem a conversar de forma consistente com maior frequência. Para descobrir isso, ele e seus colegas estão realizando outros estudos nos quais voluntários desenvolvem diferentes tipos de conversa. Até agora, os resultados sugerem que manter pelo menos cinco conversas construtivas semanais pode ser benéfico para o humor. Algumas mulheres, que adoram discutir a relação, já têm agora um argumento científico para tentar convencer o parceiro a dialogar.