Vida Saudável
Dicas relacionadas à nutrição para a sua saúde

Da compra ao preparo: como evitar o desperdício dos alimentos
por Jocelem Salgado



O Brasil está entre os dez países que mais desperdiçam alimentos. Um relatório da FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations) aponta que até 70 mil toneladas de alimentos plantados por ano no país são jogadas no lixo.

Aproximadamente 64% do que se planta no Brasil é perdido ao longo da cadeia produtiva: 20% na colheita, 8% no transporte e armazenamento, 15% na indústria de processamento, 1% no varejo e 20% no processamento culinário e hábitos alimentares. Um estudo realizado pela EMBRAPA no Centro de Agroindústria de Alimentos mostra que o brasileiro joga fora mais do que aquilo que come. Dados do IBGE confirmam que o brasileiro consome uma média de 35 quilos de alimentos por ano, 2 quilos a menos do que ele joga no lixo.

Todo esse desperdício corresponde ao equivalente a 1,4% do PIB, ou seja, US$ 4,8 bilhões são desperdiçados por ano em um país em que muitos passam fome.

Causas do desperdício

As principais causas do desperdício no país ocorrem pela falta de cuidado na hora da colheita, uso de máquinas e equipamentos desregulados, bem como transporte e armazenamento inadequados. Essas causas são altamente significativas em todas as cadeias produtivas. Além disso, estudos recentes defendem que são desperdiçadas grandes quantidades de alimentos devidas também às normas de qualidade que dão excessiva importância à aparência, demonstrando dessa forma que o desperdício de alimentos neste país é resultado de falhas deixadas pelo próprio processo de desenvolvimento. E entre produtores e consumidores, a maior causa de desperdício ocorre da colheita até a comercialização. Isso se deve provavelmente à aplicação de técnicas inadequadas, transporte e armazenamento ruins, etapas primordiais à qualidade do produto agrícola.

A aplicação de técnicas inadequadas pode ocorrer devido a inúmeros fatores, entre eles, falta de conhecimento técnico científico, tentativa de minimizar custos, falta de manutenção de equipamentos, profissionais desinteressados, entre outros. O consumidor também apresenta uma contribuição elevada quanto ao desperdício de alimentos (dados indicam que são jogados no lixo 2 kg a mais de comida do que consumimos.

A postura de minimização dos desperdícios deve envolver todos os fatores participantes da cadeia produtiva, produtores, distribuidores e consumidor. Muitos são os detalhes a serem observados para atenuar as perdas quantitativas e qualitativas dos produtos agrícolas. O acondicionamento de produtos em embalagens adequadas de acordo com suas características peculiares, tanto pelo produtor quanto pelo consumidor após a compra, é o primeiro passo para minimizar essas perdas.

O transporte e manuseio na hora da comercialização são aspectos básicos a serem observados para minimizar perdas e aumentar a lucratividade. No caso dos consumidores, o aproveitamento de partes não convencionais na produção de alimentos deve ser melhor explorado, por trazer benefícios econômicos, ambientais e muitas vezes nutricionais. O aproveitamento além de reduzir a poluição ambiental, pode agregar valor ao produto, diminuir o custo de industrialização e, consequentemente, o preço do produto.

Além disso, programas devem ser incentivados com o intuito de demonstrar a possibilidade de utilização das partes não convencionais de alimentos e das melhores formas de armazenamento a fim de reduzir as perdas.

Pesquisas cientificas estão sendo desenvolvidas a fim de comprovar a aplicabilidade de partes não convencionais tanto na produção de alimentos quanto de aditivos alimentares. Algumas iniciativas têm sido desenvolvidas no país com o objetivo de diminuir o desperdício e melhorar o conhecimento da população em relação ao aproveitamento das partes não convencionais dos alimentos; entre essas iniciativas destacam-se as oficinas de aproveitamento integral de alimentos. No entanto, um destaque deve ser dado ao projeto Banco de Alimentos que reaproveita cerca de 35 toneladas de alimentos, beneficiando 60 entidades e 100 famílias carentes cadastradas no programa.

Nos EUA a compra coletiva de alimentos tem ganho um bom espaço. A principal intenção do projeto dessa compra coletiva é aproveitar as promoções e adquirir produtos em maior quantidade por um preço melhor. Para isso, os consumidores se organizam em grupos para fazerem compras coletivas – evitando que as pessoas comprem muito e tenham que jogar parte fora. No entanto, o projeto pareceu desconfortável para muitas pessoas, já que elas tinham que se interagir para realizar as compras e, dessa forma, uma reorganização no programa foi adotada e os consumidores podem adquirir os produtos atualmente através de sites.

Medidas para reduzir o desperdício dos alimentos

Compras coletivas

Os sites de compras coletivas de produtos em geral (roupas, viagens, almoços em restaurantes, celulares) vêm sendo utilizados frequentemente por um número significativo de brasileiros, o que indica uma possível abertura a ser explorada no intuito de aplicar a compra coletiva de alimentos, como uma forma de economizar e reduzir o desperdício. Comprar bem, ou seja, fazer uma seleção desses alimentos na hora da compra, também é um fator importante para se evitar o desperdício.

Vegetais

No caso de frutas, legumes e hortaliças prefira sempre as da época, que são mais frescas, escolhendo as mais firmes, sem partes envelhecidas, manchadas, rachadas ou murchas.

Quando adquirir esses vegetais, não deixe de aproveitar as folhas, cascas e talos, pois essas partes contêm valor nutritivo significativo, além de serem mais uma opção para variar os cardápios diários, com refeições nutritivas e de baixo custo. Quando comprar couve-flor, cenoura, beterraba, etc., peça ao vendedor que não retire as folhas; elas poderão ser utilizadas no seu cardápio, contribuindo para uma melhor nutrição.

As hortaliças devem ser guardadas inteiras e nunca cortadas em pedaços ou descascadas. Conserve-as em sacos plásticos na parte baixa da geladeira. Em temperatura ambiente, elas se estragam mais rapidamente. Por isso mesmo, compre somente quantidades que serão usadas num prazo de três dias.

Frutas e sucos

As frutas maduras também devem ser conservadas em geladeira. Quando verdes devem ser mantidas em temperatura ambiente até atingir o amadurecimento desejado e só depois colocadas no refrigerador. Guarde-as sempre inteiras para evitar perdas do valor nutritivo. No caso de sucos de frutas ricos em vitamina C, o conselho é que esse suco seja preparado e consumido rapidamente para que não haja perda dessa vitamina por exposição à luz, calor, etc.

Preparo de frutas e hortaliças

O preparo de frutas e hortaliças também é muito importante. O ideal é cozinhá-las com casca, de preferência inteiras. A casca serve como invólucro impedindo que as vitaminas e minerais saiam da fruta ou hortaliça e vá para a água de cozimento. Caso não seja possível cozinhá-los inteiros, procure cortá-los em pedaços grandes e a água que os vegetais foram cozidos pode ser utilizada no preparo de arroz, macarrão, sopa, etc. Outro ponto importante é cozinhar os vegetais apenas o tempo suficiente para que fiquem macios, ou então, apenas escalde-os com água fervente.

Carnes

Na compra de carnes em geral, alguns cuidados também devem ser observados. Carnes bovinas ou suínas estão estragadas quando apresentam manchas escuras, esverdeadas, cheiro forte ou textura viscosa. Tome cuidado quando a cor for vermelha muito intensa, pois em alguns casos os comerciantes mal intencionados colocam produtos químicos (na maioria cancerígenos) que intensificam a cor avermelhada na carne bovina.

Dicas na compra de carnes:

- Exija sempre carne moída na hora. Carne moída anteriormente estraga com facilidade e, além disso, há a possibilidade do açougueiro misturar uma grande quantidade de gordura e de carnes de qualidade inferior ou deteriorada;

- Evite carnes fora de refrigeração e com cor e odor alterados;

- Conserve a carne na geladeira, no máximo durante 48 horas. Se a carne é congelada, use-a no mesmo dia. Congele apenas carnes frescas;

- Ao comprar carne de porco, observe se ela não contém granulações esbranquiçadas, conhecidas vulgarmente como “canjicas” ou “pipocas”, que se ingeridas causam sérios problemas à saúde. Por segurança, a carne de porco somente deve ser consumida quando bem cozida, assada ou frita;

- No caso de carne de frango, verifique se ela está fresca, observando as seguintes características: o cheiro deve ser suave, a pele tem que ser macia e seca. Se estiver úmida é sinal de que já esteve congelada. A cor da pele deve ser clara, entre o amarelo e o branco, sem manchas escuras.

Consumo de alimentos normalmente desprezados:

Os alimentos alternativos são aqueles pouco utilizados na nossa alimentação do dia a dia, mas que são muito nutritivos e podem enriquecer as nossas refeições. O bom uso de partes dos alimentos que muitas vezes jogamos fora, como talos, folhas, sementes e farelos, contribui para aumentar as quantidades de fibras, vitaminas e minerais essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo.

A seguir, mostro maneiras de melhorar a sua alimentação, evitando o desperdício, através do consumo de alimentos geralmente desprezados ou pouco usados no dia a dia.

Folhas e talos: de cenoura, couve-flor, abóbora, rabanete, batata doce, nabo, beterraba, taioba, caruru, etc., podem ser usadas em saladas, sopas, suflê, panqueca, refogados, farofas, sucos, bolinhos, no caldo do feijão, no cozimento do arroz, entre outros. Para facilitar o uso, principalmente de crianças e pessoas que não gostam dos folhosos, pode-se transformar as folhas em pó. Para isso, lave as folhas e deixe-as secar à sombra em local ventilado. Triture-as em liquidificador e peneire. Esse pó pode ser acrescentado nos mais diversos pratos e em sucos também.

Sementes: de girassol, abóbora, gergelim, jaca, melão, melancia, caju, etc., podem ser torradas e salgadas e usadas como aperitivo. Podem também ser trituradas e usadas na forma de pó junto às refeições.

Pó da casca do ovo: antes de utilizar o ovo, lave-o bem com água e sabão. Coloque a casca de molho em água e vinagre. Ferva durante 20 minutos e seque ao sol. Triture no liquidificador e peneire. Use apenas uma pitada junto às refeições ou bebidas como sucos, vitaminados, etc. Ela é riquíssima em cálcio.

Bagaço de milho verde: rale ou triture no liquidificador e utilize em bolos, sorvetes, doces, suflês, etc.

Palmito de mandioca: retire a película marrom que envolve a casca da mandioca. Lave a parte branca e cozinhe junto com a mandioca. Utilize a casca cozida como palmito em saladas, tortas, salgadinhos, etc.

Receitas com alimentos alternativos:

Farofa de folhas e talos

- 1 colher (sopa) de margarina ou óleo
- 2 colheres (sopa) cebola ralada
- 2 xícaras (chá) farinha de mandioca torrada ou de milho
- folhas e talos de vegetais bem picados, lavados e refogados
- sal a gosto
- Derreta a margarina ou óleo e refogue a cebola até dourar. Acrescente, aos poucos, a farinha, as folhas e talos e por último o sal. Mexa bem e sirva em seguida.

Suflê de folhas

-2 xícaras (chá) de folhas de vegetais bem lavadas, cozidas e picadas
-1 xícara (chá) de leite
-2 colheres (sopa) farinha de trigo
-1 colher (sopa) de margarina ou óleo
-3 ovos
-sal a gosto
-Misture o leite, a farinha de trigo e a margarina ou óleo. Leve ao fogo mexendo sempre, até engrossar. Retire do fogo, acrescente as gemas e as folhas, misturando bem. Coloque as claras em neve, misturando cuidadosamente. Leve ao forno para assar em fôrma untada, até dourar.

Diga não ao desperdício

A alimentação é uma das maiores preocupações do nosso dia a dia. Comprar os alimentos e prepará-los de maneira adequada torna-se cada vez mais importante, diante das dificuldades econômicas de nosso país. Por isso, um dos hábitos que devemos incorporar ao cotidiano é evitar o desperdício. É aproveitar do alimento tudo o que for possível e nunca jogar fora o que pode nos servir como fonte de nutrientes ou nos ajudar a alcançar uma alimentação equilibrada. Evitando o desperdício, os gastos com a alimentação podem ser diminuídos e muito. Não atire no lixo as partes dos alimentos que podem ajudar você e sua família ter uma refeição mais completa, com tudo o que é necessário para o crescimento e a manutenção do corpo.

O desperdício é uma palavra que deve ser banida do nosso vocabulário e da vida de cada um dos brasileiros: governo, empresas e cidadãos.

Mais informações: www.jocelemsalgado.com.br

 

Artigos relacionados - clique no título



>>> Alimentos que contêm ômega 9 e seus benefícios à saúde

>>> Consumo adequado de alimentos é mais eficaz que suplementação de vitaminas

>>> Entenda por que as dietas da moda não funcionam

>>> Na geladeira: Será que você sabe acondicionar os alimentos de forma correta?


 

Colunas relacionadas:
Nutrição Funcional Cyber Drogas Psicologia do Esporte Cérebro e Corpo
para ler artigos anteriores
 
Jocelem Salgado
Profª. Titular em Nutrição LAN/ESALQ/USP/Campus, Piracicaba
>> Mais informações >>
Clique aqui
e compre o livro
"Guia dos Funcionais" de
Jocelem Salgado
Clique aqui para falar com Jocelem Salgado
para a página principal