Dicas do Dia
Informações sobre saúde, bem-estar e qualidade de vida

Será que tenho ejaculação rápida?



Da Redação

Em algumas relações pode acontecer de você ejacular antes. Isso não caracteriza a ejaculação rápida. A não ser que isso se repita com frequência
Resposta: Há algum tempo se considerava um tempo específico para determinar se um homem apresentava, ou não, ejaculação precoce. Atualmente, o próprio nome da dificuldade mudou para "ejaculação rápida", e não existe mais um tempo fixo para determinar esta dificuldade.

A ejaculação rápida consiste naquela em que acontece com mínimo estímulo sexual antes, durante ou logo após a penetração e antes da pessoa o desejar. Dentre os fatores que contribuem para a falta do controle ejaculatório podemos incluir a ansiedade gerada pela preocupação com o desempenho sexual, o desconhecimento do próprio corpo do funcionamento da resposta sexual, dificuldade de dar e receber carícias, experiências sexuais insatisfatórias constantes, pressa para penetrar por medo de perder a ereção, entre outros.

O que vai determinar essa dificuldade do controle ejaculatório é a satisfação de si e a satisfação proporcionada na relação. O que é levado em consideração é se o tempo que você leva para ejacular é suficiente para que seu parceiro tenha prazer e/ou orgasmo.

Em algumas relações pode acontecer de você ejacular antes. Isso não caracteriza a ejaculação rápida. Porém, se isso se torna constante, e você sempre ejacula antes que você queira, aí podemos dizer que existe uma dificuldade.

Vale lembrar que a abstinência sexual - longos períodos sem ter relações sexuais - aumenta a tendência de ejacular rápido. Neste caso, não falamos de um quadro de "ejaculação rápida", pois o fato de ejacular rápido é decorrente de um período de abstinência sexual.

Deste modo, o tempo na relação não é o determinante para se considerar um quadro de ejaculação rápida. Essa dificuldade está relacionada ao ejacular antes que você queira, e à insatisfação dos parceiros, independente da duração de tempo da relação sexual.

Fonte: Marcelo Toniette é psicólogo e psicoterapeuta sexual

Atenção!
As respostas do profissional desta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um profissional de psicologia e não se caracterizam como sendo um atendimento

Artigos relacionados - clique no título

>>> Dez dicas para obter e ter prazer no sexo oral

>>> Sexóloga classifica pensamentos antieróticos em quatro categorias

>>> Ele tem disfunção erétil, mas não se dispõe a conversar sobre o assunto. O que faço?

>>> Mulheres reclamam da falta de 'pegada' dos homens

 




para ler artigos anteriores
 
Clique aqui para falar com Vya Estelar
para a página principal