TCC - Terapia Cognitivo Comportamental
Entenda como a sua percepção da realidade afeta suas emoções

Existem cinco modos de expressar o amor. Descubra o do seu parceiro

por Thaís Petroff

"As cinco linguagens do amor são: toque físico, palavras de afirmação, tempo de qualidade, atos de serviço e presentes. Descubra a do seu parceiro e passe a utilizá-la junto com a sua. Isso trará uma fina sintonia ao casal"
As pessoas têm uma maneira única de demonstrar amor? Todos temos os mesmos comportamentos quando queremos ser afetuosos? Se o outro não age de determinada maneira, quer dizer que ele não se importa comigo ou não gosta de mim?

Essas e outras perguntas são respondidas pelo antropólogo, historiador, filósofo e terapeuta conjugal norte-americano Dr. Gary Chapmam em seu livro: “As cinco linguagens do amor”. Esse autor trabalhou por aproximadamente três décadas aconselhando casais e famílias. Com isso, desenvolveu uma teoria sobre as cinco linguagens básicas nas quais o amor é expresso e compreendido.

Teoria

Ele teoriza que cada ser humano possui uma forma com a qual se identifica no modo de dar e receber amor. Ele denomina essa forma de “linguagem” e aconselha que prestemos atenção às diferenças no nosso trato com o outro, para descobrirmos nossa própria “linguagem”, bem como a do parceiro. Dessa maneira, fica mais fácil para demonstrar o seu afeto ao outro de modo que ele compreenda, bem como reconhecer como o outro está demonstrando o seu amor.

Podemos fazer a seguinte analogia: expressar amor em sua própria linguagem a alguém que possui outra é o mesmo que fazer uma declaração em japonês pra alguém que só fala russo. Isso explica por que em algumas situações pode haver discussões com namorados ou cônjuges a respeito de um ou outro não se sentir amado ou querido. Pode ser que a linguagem utilizada não seja a mesma.

Da mesma maneira que não nascemos falando, mas sim aprendemos um ou mais dialetos conforme a família e cultura que vivemos, temos também a possibilidade de aprender diferentes formas de demonstrar amor. Caso hoje você se dispusesse a aprender um novo idioma, precisaria de tempo, dedicação e treino para incorporá-lo. Assim se dá também com as expressões do amor. Você pode aprender a se comunicar melhor com as outras pessoas que lhe são importantes, se praticar isso. Como o tempo, poderá inclusive tornar-se “fluente” em uma nova linguagem.

Como fazer isso?

O primeiro passo é identificar qual a sua linguagem e em seguida qual a do seu cônjuge. Normalmente temos uma que é mais proeminente (primeira linguagem) e possivelmente outras auxiliares. Ou seja, outras maneiras pelas quais demonstramos afeto, mas talvez não com tanta frequência ou intensidade. Após essa descoberta, será possível tanto expressar amor de forma que a pessoa se sinta querida, como também levar seu companheiro à percepção de qual é a linguagem que faz com que você receba de forma efetiva sua expressão de amor.

Você pode prestar atenção aos comportamentos que seu par tem quando quer lhe agradar ou lhe demonstrar carinho e esses serão grandes pistas da linguagem (s) de cada um.

Assim, faça as seguintes perguntas:

• O que seu (sua) companheiro(a) faz, ou deixa de realizar, que mais te magoa? O oposto a isso é, provavelmente, a linguagem do amor (primeira linguagem) usada por você.

• O que você mais solicita dele(a)? Aquilo que mais requisita dele(a) é, provavelmente, o que faz você sentir-se mais amado.

• Qual a forma mais frequente de você expressar amor a seu parceiro? Essa pode ser uma indicação de que através da mesma também se sentiria amado.

Veja abaixo a descrição de cada tipo e busque identificar o seu e o da pessoa que está com você.

As cinco linguagens do amor

As cinco linguagens do amor são: toque físico, palavras de afirmação, tempo de qualidade, atos de serviço e presentes.

Toque físico

O toque físico talvez seja uma das formas mais fáceis de perceber o amor. Você costuma abraçar quem é importante para você? Você gosta de andar de mãos dadas com aquele que você ama? Você fica feliz ao receber um cafuné ou um beijo no rosto? Geralmente, essa é uma das primeiras formas de comunicar amor que aprendemos. É bem comum que as crianças deem beijos e abraços naqueles que amam (pais, avós, irmãos, professores). Ao fazer isso elas estão dizendo que amam, mesmo sem falar nenhuma palavra.

Caso tenha respondido sim a essas perguntas, provavelmente essa é a sua primeira linguagem: a forma como você demonstra que ama e como gosta que as pessoas demonstrem que te amam. Pare e pense: você conhece alguém que sempre procura te abraçar, que conversa encostando, tocando em você? Se a resposta é sim, provavelmente essa é a forma que essa pessoa está dizendo que você é importante para ela, mesmo que ela nunca use as palavras para isso.

Tempo de qualidade

O tempo de qualidade significa o tempo que você dedica exclusivamente a alguém, sem ter outras distrações por perto. Por exemplo, o tempo que vocês se dedicam à conversa, a assistir um filme juntos, a ver fotografias, a tomar um café, etc... Se você se sente importante e amado quando alguém abre mão de fazer outra coisa simplesmente para passar tempo com você, provavelmente essa é a sua primeira linguagem. Ao mesmo tempo, se alguém exige sempre a sua presença, de forma até exclusiva, essa é a principal forma que essa pessoa encontrou para dizer que te ama.

Atos de serviço

Sabe aquelas pessoas que se empenham em fazer tudo para agradar? Que chegam à sua casa e lavam a louça, se alegram em ajudar a arrumar o armário e sempre estão prontas a oferecer aquela mãozinha? Essas são as pessoas que têm como primeira linguagem de amor atos de serviço. Ou seja, para elas, o amor está relacionado ao fazer.

Palavras de afirmação

Muitas pessoas precisam ouvir que são importantes, que são bonitas, que são inteligentes, que são competentes, precisam ouvir “eu te amo”. Essa é a linguagem das palavras de afirmação, ou seja, a manifestação verbal de sentimentos. Da mesma forma, existem pessoas que sentem a necessidade de dizer sempre o quanto amam seus amigos, o quanto eles são importantes, o quanto são legais. Ao fazer isso, está se demonstrando que palavras de afirmação é a forma de comunicar seu amor. E existem pessoas que precisam dessas palavras para se sentir importantes. Para elas não basta alguém passar tempo, dar presentes ou abraços, elas precisam ouvir o que os outros pensam. Se esse é o seu caso, palavras de afirmação provavelmente é a sua primeira linguagem.

Presentes

Quem gosta de ganhar presentes? Posso arriscar que muita gente. Quem gosta de dar presentes? Nem todos. Presentes é uma linguagem peculiar e não está necessariamente ligada ao valor do regalo. Se você é do tipo que sempre que viaja pensa em trazer lembranças para seus amigos e familiares, fica refletindo o que tem a “cara daquela pessoa”, que nunca se esquece de comprar um presente nos aniversários e que até mesmo se desaponta quando as pessoas se esquecem de te presentear, provavelmente essa é a sua linguagem.

Facilitando a comunicação

Conseguiu identificar a sua principal linguagem?

Conseguiu identificar a principal linguagem do seu par?

É importante você comunicar às pessoas como você gostaria de ser amado, qual a sua primeira linguagem, ou seja, aquilo que o faz se sentir único, querido.

Do mesmo jeito, pode perguntar aos outros o que os faz sentirem-se assim e treinar para utilizar essa linguagem quando estiver junto a eles. Uma boa dica é: manter a sua linguagem e juntamente praticar a nova. Um exemplo análogo é uma pessoa falando sem problemas de audição, comunicando-se com outra que os tem. A pessoa com a audição intacta, caso saiba a linguagem de sinais, mantém sua forma habitual de se comunicar (através da fala) e acrescenta a essa a linguagem de sinais. Desse modo ela mantém o que já sabe e se sente bem por poder manter a linguagem com a qual se identifica, mas também se utiliza da forma que o seu receptor a compreenda.

Artigos relacionados - clique no título



>>> Presença dos pais é fundamental para bom uso da tecnologia pela geração Z

>>> Jogos eletrônicos incentivam comportamento violento?

>>> Filhos plugados: Como não deixá-los o tempo todo em frente ao computador?

>>> Games violentos incitam violência?


 
Colunas relacionadas:
Luiz Alberto PySer IntegralAtitudesEu
 
para ler artigos anteriores
 
Thaís Petroff
Psicóloga & Psicoterapeuta Cognitivo-Comportamental
>> Mais informações >>
Clique aqui para falar com Thais Petroff
para a página principal