Neurociência & Aprendizagem
Neurociência pedagógica: abordagem neurobiológica e multidisciplinar sobre a complexidade cerebral na sala de aula

Como o cérebro reage a um trauma?

por Marta Relvas

"Um trauma pode, frequentemente, violar as ideias do indivíduo a respeito do mundo, colocando-o num estado de extrema confusão e insegurança"

A neurofisiologia do trauma emocional é quando o sistema límbico torna-se excitado ou estimulado em relação a um acontecimento ou fato que marcam emocionalmente o nosso cérebro.

Esse mecanismo estimula os neurônios a produzir um neurotransmissor excitatório denominado de catecolamina, bem como a noradrenalina, que gravam fortemente essas memórias emocionais e também promovem o envio de um suprimento extra de oxigênio e glicose para o cérebro, ajudando-o a "sedimentar" a memória.

O trauma é um tipo de dano emocional que ocorre como resultado de um algum acontecimento, envolvendo uma experiência de dor e sofrimento emocional ou físico, acarretando recordações dolorosas, afetando o comportamento e o pensamento da pessoa, que fará de tudo para evitar reviver o evento que lhe traumatizou. Igualmente, pode acarretar depressão, comportamentos obssessivos compulsivos e outras fobias ou transtornos, como o de pânico.

Um evento traumático envolve uma experiência ou série de experiências repetidas que afetam a maneira de o indivíduo lidar com ideias ou emoções envolvidas com aquela experiência, podendo às vezes durar semanas ou anos. O trauma pode ser causado por vários tipos de eventos, mas há alguns aspectos em comum. Geralmente envolve o sentimento de completo desamparo diante de uma ameaça real ou subjetiva à própria vida, ou à vida de pessoas amadas, ou à integridade do corpo.

Um trauma pode, frequentemente, violar as ideias do indivíduo a respeito do mundo, colocando-o num estado de extrema confusão e insegurança.

O trauma psicológico pode vir acompanhado de um trauma físico ou existir de maneira independente.

Traumas psicológicos

Tipos de causas de traumas psicológicos são: perda de entes queridos, abuso sexual, violência ou ameaças, desafeto/desilusão, especialmente se ocorrem na infância ou adolescência. Eventos catastróficos como terremotos e erupções vulcânicas, guerra ou outras formas de violência em massa também podem causar traumas, assim como exposição à miséria durante longo tempo ou mesmo abuso verbal.

O que está por trás do trauma:

- Pessoas diferentes reagem de maneiras diferentes em eventos similares.

- Uma pessoa pode sentir como traumático um evento que outra pessoa pode não sentir.

- Nem todas as pessoas que passam por experiências traumáticas podem se tornar psicologicamente traumatizadas.

- Procure ajuda de profissionais quando se sentir ameaçado, com medos e traumas que paralizem sua vida afetiva, emocional e social.

Artigos relacionados - clique no título



>>> Aumento de capacidade aeróbica melhora cognição em adolescentes, indicam estudos

>>> Inteligência muda e gera comportamentos inteligentes

>>> O lado obscuro da inclusão escolar

>>> Atividade física precoce pode melhorar funções cerebrais ao longo da vida


 
Colunas relacionadas:
Luiz Alberto Py Cérebro & Corpo Mente na Terceira Idade Eu
 
e leia textos anteriores
 
Marta Relvas
é professora, neurobióloga, neuroanatomista psicanalista e psicopedagoga
>> Mais informações >>

Clique aqui
para falar com Marta Relvas
para a página principal