Neurociência & Aprendizagem
Neurociência pedagógica: abordagem neurobiológica e multidisciplinar sobre a complexidade cerebral na sala de aula

Dicas para potencializar as funções executivas do cérebro

por Marta Relvas

"As funções executivas têm um importante papel no planejamento e organização de todas as nossas ações..."

O dicionário da International Neuropsychological Society define funções executivas como: "habilidades cognitivas necessárias para realizar comportamentos complexos dirigidos para determinado objetivo e a capacidade adaptativa às diversas demandas e mudanças ambientais" (Loring, 1999) citado por Cruz, Toni e Oliveira, 2011, p. 18)

Existem diversas funções executivas, entre as quais podemos citar: a memória de trabalho (memória de curto prazo), o controle inibitório (capacidade de conter os impulsos), a metagonição (capacidade de reflexão sobre o próprio conhecimento cognitivo) e a atenção. Essas servem de alicerce para a estruturação de processos complexos como: planejamento (demanda atenção, memória de trabalho, controle inibitório e habilidade metacognitiva), tomada de decisão (demanda todas as habilidades citadas), flexibilidade cognitiva (mudança rápida de estratégia) e manutenção do foco (capacidade de perseguir seu objetivo, mesmo que seja necessário mudar de estratégias).

As funções executivas têm um importante papel no planejamento e organização de todas as nossas ações, auxiliam monitorando tarefas por meio de autocontrole, criando estratégias e estabelecendo objetivos incluindo raciocínio e lógica.

A principal região cerebral relacionada ao funcionamento executivo é o córtex pré-frontal (Cherkes-Julkowski, 2005). Sendo assim, o córtex pré-frontal é responsável pela organização de toda a cognição e administração das funções executivas.

Podemos comparar o córtex pré-frontal como um maestro com suas várias funções, modulando, ordenando e controlando a intensidade de cada uma delas durante o espetáculo.

Dicas para potencializar as funções executivas do cérebro:

- Dormir bem
- Ingerir água
- Praticar caminhadas
- Em sala de aula: minimize estímulos distratores
5ª - O professor deve sinalizar o que é importante na informação
- Repetir as instruções através da escrita, da fala, visual...
- Dividir as tarefas complexas em tarefas mais simplificadas, envolvendo seus estudantes na rotina da sala de aula
- Reforço positivo: promover sempre elogios
- Crie grupos de tarefas e faça uso do "cantinho de estudos" na sala de aula
10ª - Auxilie na organização do material escolar

Consulta bibliográfica:

Relvas, Marta P. Que cérebro é esse que chegou à escola? Bases neurocientíficas da aprendizagem. 2ª edição, Editora WAK, 2014, Rio de Janeiro.

Artigos relacionados - clique no título



>>> Aumento de capacidade aeróbica melhora cognição em adolescentes, indicam estudos

>>> Inteligência muda e gera comportamentos inteligentes

>>> O lado obscuro da inclusão escolar

>>> Atividade física precoce pode melhorar funções cerebrais ao longo da vida


 
Colunas relacionadas:
Luiz Alberto Py Cérebro & Corpo Mente na Terceira Idade Eu
 
e leia textos anteriores
 
Marta Relvas
é professora, neurobióloga, neuroanatomista psicanalista e psicopedagoga
>> Mais informações >>

Clique aqui
para falar com Marta Relvas
para a página principal