Cyber Vida Sexual
Seção dedicada a responder e-mails relacionados à sexualidade

Sinto prazer nas preliminares, mas não sinto na transa. O que eu faço?


por Sandra Vasques

Sou bonita e atraio vários homens que querem namorar comigo, mas o fato de eu não sentir vontade de fazer sexo, faz com que eles simplesmente sumam. Perdi a virgindade cedo aos 16 anos com meu primeiro e único namorado. Sinto prazer nas preliminares, mas no ato em si, me sinto obrigada a fazer e me sinto péssima depois que acontece.

"A mulher deve procurar refletir e perceber quais são suas ideias a respeito de sexo. À medida que essas fiquem claras, verifique se realmente concorda com as mesmas, ou se tem pensado dessa maneira porque nunca parou para questionar" Resposta: Muitas mulheres vivem a mesma situação que você descreve: sentem prazer nas preliminares, mas no ato em si não. Isso geralmente acontece em função de uma educação rígida e que coloca o sexo como algo vulgar e impróprio para mulheres que se respeitam e que querem ser respeitadas.

É como se o sexo fosse um ato que só interessasse realmente aos homens e fazê-lo seria se submeter a uma vontade deles, para agradá-los e não a uma necessidade própria. E ainda, que sentir prazer com a relação sexual seria algo que desvalorizasse a mulher. Como é então que ela pode desejar algo que tira dela o que é tão valioso, como o respeito próprio, a autoestima?

Ela pode até fazer sexo, mas por obrigação, como uma imposição, uma força que está fora dela, e a qual ela se submete para poder ter algo que deseja muito, um homem, um companheiro, mas depois se sente mal. Mas, nos dias de hoje, grande parte dos homens não quer mais o prazer só para si e mais que isso, as mulheres têm tanto direito como eles de desfrutar do prazer que o sexo pode trazer.

A mulher deve procurar refletir e perceber quais são suas ideias a respeito de sexo. À medida que essas fiquem claras, verifique se realmente concorda com as mesmas, ou se tem pensado dessa maneira porque nunca parou para questionar.

Às vezes guiamos nossas vidas por meio de conceitos e preconceitos que nunca paramos para questionar, são conservas culturais que nos impedem de viver plenamente. E ideias negativas a respeito de sexo costumam ser frequentes. Se você perceber essas amarras, ao questioná-las vai começar a afrouxá-las e a vivência do sexo em geral se tornará mais positiva.

Ainda outra situação pode fazer com que uma mulher não goste da penetração, são as experiências ruins, negativas que ela tem no início da vida sexual, ou mesmo, relatos de amigas muito próximas, que as viveram. Essas experiências ficam guardadas como prova de que sexo é algo ruim e que traz dor e outros sentimentos negativos. Assim, ela não quer experimentar ou repetir.

No entanto, apesar de muitas mulheres viverem situações bem decepcionantes com um determinado parceiro, ou nas primeiras experiências, não quer dizer que não possa encontrar outro que lhe dê a atenção, carinho, e prazer que ela merece.

Sexo pode ser algo muito bom, mas é preciso dar oportunidade para que outro homem possa mostrar isso. Encontrar um parceiro compatível é possível. Para isso é importante que o casal dê um tempo só nos abraços, beijos, carícias e vá percebendo como é o comportamento e o jeito um do outro. Se for bom, gostoso, vá avançando na intimidade, até chegar no ato sexual.

Muitos casais têm se apressado e as decepções podem acontecer com mais frequência, em especial para a mulher, fazendo com que ela queira evitar outras.

Pense nessas questões e veja se não está na hora de se permitir viver novas e positivas experiências. Se você desejar, tentar e não conseguir sozinha, procure apoio psicológico, que poderá ajudar bastante.

Artigos relacionados - clique no título

>>> Ficar longo tempo sem fazer sexo realmente causa irritação?

>>> Ser 'safada' no sexo para minha mulher é ser submissa. Como reverter isso?

>>> 'Só penso naquilo'; isto é normal?

>>> Frequência de relações sexuais serve para medir o ‘índice de amor’ na vida conjugal?



ATENÇÃO: As respostas do profissional desta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um profissional de psicologia e não se caracterizam como sendo um atendimento

Colunas relacionadas:
Cyber Vida a Dois SexoLuiz Alberto PyAmor
para ler as respostas
 
Sandra Vasques
é psicóloga especializada em sexualidade
>> Mais informações >>
Clique aqui para falar com Sandra Vasques
para a página principal