Holismo
Dicas para viver com saúde plena através de terapias naturais
Doenças transmitidas por cães e gatos; saiba quais são e como preveni-las
por Gilberto Coutinho
"Pêlos, saliva, patas, urina e fezes de animais, como gato, cachorro, roedores e pássaros, podem conter diversos microorganismos capazes de ocasionar doenças em crianças, jovens, pessoas adultas e idosas" A biologia contemporânea dá um grande passo, quando reconhece que os animais são seres providos de inteligência, e não são apenas instintivos, como se pensava alguns anos atrás, e de que a fauna e a flora, assim como o homem, fazem parte de uma mesma natureza (a recente decifração do código genético humano e dos animais não deixa a menor dúvida disso) e precisam ser melhor compreendidos, estudados, respeitados e suas vidas preservadas.

É de importância vital que o homem moderno aprenda a viver de forma harmoniosa e respeitosa com a natureza. Tantos animais domésticos tornam-se amigos, queridos, companheiros e parte da família. Entretanto os animais domésticos, além do carisma, afeto e alegria, podem também transmitir doenças. É importante saber quais são as mais comuns, como preveni-las e combatê-las.

Zoonose

Zoonose é a designação para toda doença infecciosa ou parasitária transmitida por animais vertebrados (providos de coluna vertebral e, em geral, de dois pares de membros: peixes, anfíbios, répteis, aves e mamíferos) ao homem e vice-versa. São diversos os microorganismos e os agentes que podem causar doenças: bactérias, vírus, fungos, helmintos, rickéttsias (gênero de microrganismo que se situam entre bactérias e vírus, parasitas que vivem no interior das células no homem e nos animais) etc. Hoje em dia, cerca de cem doenças são identificadas como zoonose.

O pêlo, a saliva, as patas, a urina e as fezes de animais, como gato, cachorro, roedores e pássaros, podem conter diversos microorganismos capazes de ocasionar doenças em crianças, jovens, pessoas adultas e idosas. A precaução é tomar alguns cuidados, tais como vacinação, combate de verminose e consultas periódicas ao veterinário, mesmo que o animal não apresente nenhum sinal ou sintoma.

Alguns cuidados para se prevenirem doenças

• Não compartilhar cama e alimentos com os animais, por mais que eles sejam queridos.
• Evitar carinhos, como beijos e/ou lambidas, muito próximo ao rosto (lábios, nariz e olhos).
• Recolher rapidamente as fezes e a urina dos animais (não deixando-as expostas a moscas e ao contato humano), assim como desinfectar adequadamente o local.
• Procurar assistência terapêutica sempre que alguém for arranhado e mordido por um gato e/ou mordido por um cão.
• Consultas periódicas ao veterinário e/ou quando o animal apresentar algum problema de saúde.
• O organismo animal é muito sensível às drogas alopáticas. Em geral, eles respondem muito bem às terapêuticas alternativas e naturais. Podem ser tratados de forma segura e efetiva com naturopatia, homeopatia, nutrologia, fisioterapia, acupuntura e terapia ocupacional.
• É importante ter cuidado com animais doentes e com os produtos de origem animal (sangue, saliva, muco, pus, urina, fezes, etc.).

As zoonoses mais comuns

Micoses (Cão, gato e coelho). Não deixar o animal dormir em locais úmidos. Manter sempre a sua casinha limpa. Se ele apresentar queda de pêlo ou áreas redondas sem pêlos, deve-se consultar um veterinário.

DAG - Doença da Arranhadura do Gato: causada pela bactéria Bartonella henselae, é conhecida na França, desde 1950, ocasiona uma lesão acentuada e indolor na pele, que pode durar meses. No local da arranhadura ou mordedura, surge uma bolha consistente que logo desaparece. Dias depois, surge na região um gânglio aumentado e persistente. Em geral, esse mal é diagnosticado, quando se procura afastar a hipótese de um câncer. Embora essa doença seja autolimitada e benigna em pessoas saudáveis, pode trazer sérias complicações em pessoas com o sistema imunológico deprimido por HIV e outras razões. A infecção pela bactéria pode trazer conseqüências graves, como a angiomatose bacilar (doença sistêmica que provoca lesões por toda a pele e pode afetar o fígado, baço e o sistema nervoso central).

Sarna sarcóptica causada por ácaro (Cão, gato, coelho e cavalo): dar banho nos animais a cada 15 dias e, semanalmente, trocar os panos da cama.

Criptococose (Cão, gato, ovinos, pombos e primatas): doença provocada por um cogumelo com forma de levedura (fungo) e que se manifesta mais freqüentemente na forma de uma meningite subfebril, com evolução crônica acompanhada de hipertensão intracraniana e presença de leveduras no líquido cefalorraquidiano. Na maioria das vezes, a porta de entrada do germe são os pulmões.

Brucelose (Cão): doença infecciosa do rebanho (vacas, cabras e carneiros), causada pela Brucella melitentis. Pode durar meses, ocasionando febre irregular, suores nortunos, dores no corpo, fadiga muito intensa e aumento do volume do fígado. Transmissão: secreções vaginais, fetos e secreções do parto. Os machos contaminam as fêmeas no acasalamento. Prevenção: acasalar apenas os animais não contaminados. Por isso, deve-se fazer teste de brucelose antes do acasalamento. Devem ser usadas luvas para o auxílio às fêmeas no parto.

Lepstospirose (Cão): causada por bactéria presente na urina dos ratos que contamina a água de enchente, lama etc. Transmissão: é transmitida às pessoas quando a pele com pequenas lesões entra em contato com locais e objetos contaminados pela urina de ratos doentes. Prevenção: à noite, não deixar comida em vasilhames destampados. Combater os ratos, vacinar anualmente os animais; em áreas endêmicas, a cada 6 meses.

Raiva (Cão, gato, primatas e cavalo). Transmissão: mordida de morcego hematófago ou de animal doente. O vírus encontra-se presente na saliva de animais infectados. Prevenção: vacinação anual a partir dos 4 meses de vida.

Ancylostoma ou larva migrans cutânea/Bicho geográfico (Cão). Transmissão: contato com areia contaminada com fezes de cães. Prevenção: fazer exames de fezes semestralmente. Não deixar que os cães evacuem nas praias. Recolher as fezes das gramas, calçadas e parques.

• Dipylidium canino ou Tênia (Cão e gato): parasita intestinal bastante comum, não traz sérios perigos ao animal infectado, embora possa provocar irritação na região anal. As duas formas de infecção são: ao se coçar, ou ao se lamber, o animal pode engolir pulgas acidentalmente. Caso a pulga engolida estiver contaminada por larvas do dipylidium, o animal se infectará também. Transmissão: contato com fezes contaminadas. As pulgas fazem parte do ciclo de transmissão. Prevenção: Exames de fezes periódicos e combate à infestação de pulgas.

Doença de Lyme (Cão): causada pela bactéria espiroqueta Borrelia burgdorferi, transmitida por carrapatos

Trichinose ou triquinose: doença parasitária devido à Trichinella spiralis, introduzida no organismo através da ingestão da carne de porco, ou de cavalo, insuficientemente cozida, contendo larvas encistadas. Prevenção: evitar a ingestão de carne de porco, ou ingeri-la bem cozida

• Salmonelose: infecção causada pelos microrganismos do gênero Salmonella

• Listeriose: infecção devido à Listeria monocytogenes, transmitida ao homem por diversos animais

Tuberculose

• Toxoplasmose: doença causada por toxoplasma, pode atingir o feto, por transmissão de uma infecção da mãe, ocasionando lesões nervosas e oculares (hidrocefalia e retardo mental).

• Hidatidose: doença parasitária que acomete o homem e outros animais. É causada pela forma larval de algumas parasitas do grupo das tênias, dentre os quais o Echinococcus granulosus; nos hospedeiros, apresenta-se em forma de cistos.

Febre amarela: infecciosa, endemoepidêmica em certas regiões tropicais da América Central, da América do Sul e da África do Sul, do Saara, causada por um arbovírus e transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.

Dengue

Tifo

Malária: doença infecciosa causada por parasitas do sangue do gênero Plasmodium, transmitido ao homem pela picada da fêmea do mosquito anófele.

Tétano

Febre aftosa

Gripe aviária

Doenças de Chagas: causada pelo tripanossomas, é transmitida pela picada da mosca tse-tsé


Colunas relacionadas:
Medicina ComplementarMedicina Tradicional ChinesaYoga Psicologia do Esporte
para ler artigos anteriores
este artigo para um amigo
Gilberto Coutinho
é terapeuta naturopata com formação em Medicina Tradicional Indiana
>> Mais informações >>
Clique aqui para falar com Gilberto Coutinho
para a página principal