Cyber Vida Sexual
Seção dedicada a responder e-mails relacionados à sexualidade

Seios pequenos podem interferir no desejo do parceiro?


por Sandra Vasques

O fato de eu ter os seios pequenos diminui a vontade do parceiro? Embora ele nunca tenha reclamado, eu me sinto meia constrangida e acho que isso me atrapalha na hora do sexo. Ou seja, não consigo me soltar totalmente. Como lidar com isso?

Resposta: Cada pessoa tem um tipo de preferência em relação às formas do corpo de um parceiro ou parceira sexual. Apesar da sociedade impor um tipo de modelo como sendo o melhor, se você perguntar às pessoas individualmente, elas não vão definir o mesmo tipo de corpo como sendo o ideal. Um homem pode gostar de mulheres magras, altas, bem branquinhas, com seios grandes e quadril largo; outro homem, que pode até ser vizinho do primeiro, pode preferir mulheres mais “cheinhas”, morenas, com bumbum em destaque, baixinhas, mas com seios pequenos.

É frequente homens se apaixonarem por mulheres que não correspondem ao seu tipo físico preferido

Sendo essas as preferências deles, é claro que os olhos vão procurar esse tipo de mulher. No entanto, nem sempre a mulher por quem eles se apaixonam, corresponde ao tipo preferido, pois outros aspectos da pessoa podem chamar muita atenção e o físico fica em segundo plano. Isso acontece frequentemente.

Assim, seu parceiro pode realmente gostar de seus seios pequenos, apesar de na atualidade os grandes estarem na moda. E, mesmo que ele não preferisse seios pequenos, você chamou a atenção dele o suficiente para querer ficar contigo. Aliás, falando em moda, nos anos 60, a mais famosa modelo inglesa (Twiggy) tinha seios bem pequenos. Dá para ver que o que é moda muda muito; não dá para ficar dentro dessa prisão.

Mas, mesmo que o parceiro goste de seios pequenos, ou pelo contrário, goste de maiores, e não se importe que você não os tenha assim, importa muito como você se sente a respeito. Aliás, se você não ficar de bem com seu corpo, por mais que o parceiro esteja, as coisas não vão correr bem. É mesmo muito provável que esse constrangimento atrapalhe na hora do sexo. Nesse momento é importante estar ligada nas sensações e emoções despertadas pela relação, e os pensamentos devem ser prazerosos. Pensar no fato de estar ali com o seu par desejando e sendo desejada, sentir-se gostosa e interessante, curtir o parceiro que está ali se dedicando a ter prazer com e por você. Se você não consegue e fica ligada na vergonha de ter seios pequenos, mal se excita, o orgasmo fica distante de ser alcançado e o prazer por estar ali não se concretiza.

Seria bom se você ao invés de ficar pensando nos seus seios pequenos, pudesse, pelo menos por experiência, se ligar em outras partes do corpo que você goste, ou em um jeito especial de envolver o parceiro. Verá que a relação vai ser muito mais estimulante. Afinal, não somos apenas uma parte do corpo.

Maioria das pessoas tem uma parte do corpo que não gosta muito

E outra coisa, saiba que a maioria das pessoas têm uma parte que não gostam muito, e que precisa aprender a administrar: chamando a atenção para outras partes, vestindo-se de maneira a favorecer seu tipo físico, valorizando mais a sensualidade.

Algumas partes do corpo podem ser mudadas pela cirurgia plástica, cosméticos, que podem ser uma opção. No entanto, antes de fazê-la é preciso ver se o problema é mesmo o corpo ou o quanto você gosta dele ou de você mesma. Isso porque se você não se curtir, a cirurgia plástica não vai resolver.

Assim, se você não conseguir sozinha ficar de bem com seu corpo, procure a ajuda de outro profissional que estará preparado para oferecer-lhe o tipo de ajuda necessária, um psicólogo.

Artigos relacionados - clique no título

>>> Entenda a relação entre seios grandes, prazer sexual e autoestima

>>> Ser 'safada' no sexo para minha mulher é ser submissa. Como reverter isso?

>>> 'Só penso naquilo'; isto é normal?

>>> Aumento dos seios: Como acertar no tamanho da prótese?



ATENÇÃO: As respostas do profissional desta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um profissional de psicologia e não se caracterizam como sendo um atendimento

Colunas relacionadas:
Cyber Vida a Dois SexoLuiz Alberto PyAmor
para ler as respostas
 
Sandra Vasques
é psicóloga especializada em sexualidade
>> Mais informações >>
Clique aqui para falar com Sandra Vasques
para a página principal