Beto Lee: o Wando do rock brasileiro

por Vanessa Fontes e
Beto Vieira
foto de Patricia Cecatti

Café Aurora, um dos redutos do rock no Bexiga, em São Paulo. Esse foi o palco de mais um show de Beto Lee, no último dia 25 de abril.

E lá foi o filho de Rita Lee e Roberto de Carvalho para mais uma apresentação com sua banda, depois de alguns anos tocando com os pais. Segundo Beto, o frio na barriga é bem maior do que quando estava em turnê em família. "Agora eu tô na frente do palco, tocando e cantando sozinho. Isso muda minha situação e o frio na barriga triplica!", confessa.

O show mescla músicas de seu primeiro trabalho solo, o CD Todo Mundo é igual, algumas covers de bandas de rock consagradas e até versões inesperadas como Rock da Cachorra, de Leo Jaime, um dos grandes sucessos de Eduardo Dussek. Sem esquecer o esperado hit brega Fuscão Preto, que Beto regravou em seu CD. A música é a segunda de trabalho do disco, e Beto conta que a versão punk não saiu de uma reunião de Marketing, nem nada parecido. Ele brincava com os acordes originais da música e, quando percebeu, havia feito uma versão meio blues, meio rock e decidiu gravá-la, segundo o próprio, "aos 45 do segundo tempo".

Beto gosta de tocar covers, acha que é um momento de diversão e funciona como uma higiene mental para o músico. Mas nem por isso deixa de tocar músicas de sua autoria no show. Aliás, a maior parte do set list é composto por músicas suas.

No começo, o filho da musa do rock brasileiro relutava e evitava tocar músicas de sua mãe, mas isso também tem mudado e o roteiro já inclui músicas como Jardim Elétrico, Corista de Rock e Minha Menina.

O CD de Beto Lee foi lançado pela gravadora Abril, que encerrou suas atividades pouco depois. Mas para o roqueiro isso não é nenhum obstáculo. "Um ariano não desiste de lutar. Eu sabia que eles estavam mal e não comentei nada. Não estou desanimado porque sempre trilhei independente e voltar à essa estaca não me preocupa", garante.

Enquanto Beto Lee luta com sua gangue, como o próprio apelida a banda, aproveitam os shows e se divertem no palco. Nesse último, Beto mandou um recado para o compositor de Moça. "Se cuida, Wando!", ameaçou quando as fãs mais afoitas jogaram calcinhas no palco.

E o segundo CD já está nos planos. O que esperar? "Algo bem mais pauleira que o primeiro! Quero trabalhar com um produtor de rock que puxe meus limites na hora de gravar e arranjar as músicas", explica Beto.

O que está no sangue não se nega!

CD Os filés do Mion
matéria anterior:
  • Claudette Soares de olho no futuro