Muito mais que filha de peixe
Maria Rita lança primeiro CD com linguagem jazzística
por Beto Feitosa


Ouça aqui:
trechos do CD de Maria Rita!

Se vale o ditado que fala sobre filho de peixe, Maria Rita traz no DNA a nobreza da melhor linhagem da música brasileira. A cada nova cantora que surge no Brasil, críticos e público procuram os traços de Elis Regina. Quando Maria Rita apareceu a comparação, além de óbvia, foi imediata.

"Mas acho um desrespeito com ela ficar procurando substitutas", explica Maria Rita, mostrando traços do mesmo temperamento forte e inteligente da mãe. Em seus shows, costuma arrancar lágrimas da platéia quando lembra Elis na canção Menina da lua, de Renato Mota.

Impossível não pensar em Elis quando Maria Rita canta Encontros e despedidas, de Milton Nascimento. De tão familiar e emocionante, chega a ficar a dúvida: Elis Regina chegou a cantar essa música? Não, ela foi lançada por Simone em 1981. "Mas eu gravaria uma música dela se fosse com um propósito especial", entrega a cantora que, além de estar lançando seu primeiro trabalho, também completava 26 anos nesse dia nove de setembro.

Milton também deu de presente a afilhada musical a inédita A festa, já escolhida para ganhar rádios e virar um clip que estreou no Fantástico. Apenas o primeiro aperitivo do especial de TV que a Globo vai exibir no dia 28 de setembro e depois ganha vida própria em DVD, nas lojas a partir de outubro.

Das lembranças da infância, Maria Rita, que ganhou o nome em uma homenagem a Rita Lee, trouxe Agora só falta você. "Me lembrei dessa ouvindo uma coletânea com músicas de novela", explica a cantora que morou nos Estados Unidos por oito anos e perdeu o contato com a música brasileira. "Quando voltei só tinha um rádio, que ouvia o dia inteiro. Tocava sempre uma música da Rita com a Zélia Duncan que eu adorava e corri atrás", conta sobre como Pagu, da safra mais nova de Rita, entrou no repertório.

Maria Rita se emociona quando lembra a quantidade de CDs que recebeu para selecionar repertório. "Foi bonito como esses compositores confiaram suas criações a mim", agradece.

Mas identificação mesmo ficou com as composições de Marcelo Camelo, do Los Hermanos. "Eu tinha escolhido sete músicas dele! Se deixassem ia ser praticamente um disco Maria Rita canta Marcelo Camelo", brinca. "Aí me advertiram que eles tinham ficado muito marcados por causa da Ana Júlia. Como eu não tinha a menor referência, ainda brinquei perguntando qual era o problema da namorada dele!", se diverte. Acabou fechando com três composições dele: Cara valente, Veja bem meu bem e Santa chuva.

De sua geração ainda traz uma inédita de Cláudio Lins. O blues Cupido fecha o disco e remete a uma dobradinha antológica, Elis Regina e Ivan Lins. "Ele traduziu brilhante e suavemente o momento em que uma pessoa pode se descobrir apaixonada", aprova. Com os mesmos 26 anos, Elis gravava, pela primeira vez, uma música de Ivan Lins, a já clássica Madalena, primeiro grande sucesso do compositor.

Abram alas. Sapeca e sabida, Maria Rita estava fazendo falta.

CD Maria Rita
matéria anterior:
  • LS Jack investe em novas Carlas