A empresária mandando bala na música
Rossanna Decelso canta repertório inédito de Zeca Baleiro

por Beto Feitosa
foto Zeca Baleiro: Gustavo Malheiros
foto Rossanna: Claudinei Monteiro

De cantora a empresária de Zeca Baleiro. De empresária a cantora. Rossanna Decelso brinca de mudar de lado e volta para frente do microfone em um CD totalmente dedicado a obra do próprio Zeca Baleiro, apropriadamente batizado de Mandando bala, título herdado de um show que apresentava com músicas dele ainda nos tempos do anonimato.

Aproveitando que estava ali pelos bastidores da criação, pegou apenas músicas inéditas, escondidas no baú do compositor antes da fama, entre 1991 e 1996. Uma espécie de pré-história que correu o risco de fossilizar em partituras perdidas na gaveta.

Usando sua sensibilidade artística, escolheu convidados, músicos e, por quatro anos, sem pressa, foi gravando o disco. Nem o próprio homenageado acreditou que, um dia, aquele punhado de canções fosse ver a luz do feixe de laser. "Confesso que um dia duvidei que este disco viesse a existir. Mas agora ele está aí e é do mundo, nem Deus pode duvidar", conta Zeca no release distribuído para a imprensa. "Mande bala!", arremata com o conselho.

Nessa jornada paralela Rossanna foi acompanhada por Maurício Pereira, que acabou assinando a produção do disco e ainda dividindo a bem humorada Zé Mane. "Quem não tem grana não pode ser bacana nem fazer bacanal", diz a letra.

A lista de convidados é de pessoas que cercam o universo de Rossanna e Zeca. Vai de Verônica Sabino a Chico César, passando por Fernanda Takai, Moska, Rita Ribeiro, Sueli Mesquita, Mathilda Kóvac e Xande Tamietti.

O próprio homenageado comparece em todas as faixas. Além de abrir e fechar o disco com pequenas vinhetas, divide os vocais discutindo com Rossanna na deliciosa Belzebu de saia. De brincadeira, depois que o disco estava todo pronto, imprimiu sua marca em todas as faixas. Sem créditos, provoca o ouvinte para adivinhar onde está o Zeca.

Verônica Sabino divide com Rossanna a doce São Jorge Bendito, feita originalmente para uma peça de teatro. A Fernanda Takai coube Agora, originalmente composta para Wanderléa. "Considero Fernanda a ternurinha do ano 2000", diz Rossanna em nota de rodapé. Rita Ribeiro canta Papelão, única música composta especialmente para Rossanna.

A brincadeira não vai ter conseqüências além de noites de autógrafos e celebrações. Rossanna não pretende fazer carreira, não vai apresentar nenhum show de lançamento. As músicas estão aí, registradas para fãs e interessados. Voltando para os bastidores, a empresária continua cuidando da carreira de Zeca Baleiro, cantando e mandando bala para amigos. Mandando bala é um delicioso doce raro.


Zeca Baleiro e sua Ópera Infame

matéria anterior:
  • Zeca Baleiro e sua Ópera Infame
    ÚLTIMOS LANÇAMENTOS