Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Cientistas anunciam candidatura para Congresso e Assembleia estadual paulista

Pesquisadores da Universidade de São Paulo querem defender causas como financiamento a C&T e estado laico

Marcos Santos - USP imagens

Walter Neves, diretor do Laboratório de Estudos Evolutivos Humanos da USP, quer atuar em temas como defesa do estado laico e redução da desigualdade social

O professor aposentado da USP Walter Neves, 60, o maior nome brasileiro na área da antropologia Humana, anunciou no sábado que vai se candidatar nas próximas eleições ao cargo de deputado federal pelo novo Partido Pátria Livre (PPL). Neves fará uma dobradinha com Mariana Moura, 36, que é doutoranda na USP e vai sair candidata a deputada estadual pelo mesmo partido.

Scientific American  — Por que nasceram essas candidaturas?

Mariana Moura — Surgiram de uma necessidade que a comunidade científica está sentindo de uma participação maior na seara política. Estamos vivenciando uma série de tomadas de decisão em política pública que não tem o menor fundamento científico. Vários grupos de cientistas já discutiram isso e esse grupo que se formou lá na USP a partir da eleição para reitoria da USP do ano passado também. A gente decidiu e chegou a conclusão de que é necessário fazer uma discussão e uma pressão de fora da política. Ou seja, da SBPC, das academias de ciências tomarem posicionamentos políticos e colocarem esses posicionamentos para a classe política. Mas também é necessário acompanhar esses debates de tomada de decisão por dentro do parlamento.

Walter Neves Olha, uma coisa que eu quero deixar claro é que eu não pretendo, se eu for eleito, ser o cientista do Congresso mas sim um cientista no Congresso. Então apesar de que, evidentemente, eu vou priorizar a bandeira da questão do financiamento e das políticas de ciência e tecnologia no Brasil, basicamente o que me levou mesmo a aceitar o convite desse grupo de cientistas é o fato de que eu não consigo mais conviver com as desigualdades sociais do Brasil.

Eu me aposentei agora em novembro e eu sempre quis trabalhar com direitos humanos. Mas numa escala planetária, com essas grandes ONGs, como Anistia Internacional,  Médicos Sem Fronteiras. Mas, apesar dos meus esforços, eu não consegui me inserir em nenhuma dessas grandes instituições de direitos humanos. Eu gostaria de estar na Síria. Eu não sei se é porque eu sou um homem de campo, por causa da minha profissão. Mas não consegui. Então quando recebi esse convite dos meus colegas, que me apontaram para disputar essa vaga de deputado federal, isso não é propriamente o que eu tinha em mente, mas talvez seja uma forma de começar a militância.

Scientific American  — Vocês já têm ideia de projetos de lei para propor?

Walter Neves Tenho um projeto de lei em mente, na área de direitos humanos, que eu chamaria de “Lei Marielle”: os assassinatos de ativistas de direitos humanos seriam considerados crimes hediondos, porque quando se mata um ativista de direitos humanos todos nós estamos morrendo um pouco. Se eu for eleito esse provavelmente será meu primeiro projeto.

Mariana Moura — Não temos um projeto de lei fechado, mas temos discutido propostas de lei no grupo. Tem duas propostas que eu acho interessantes, que a gente já amadureceu um pouco e que a gente pode colocar. Uma diz respeito a financiamento da ciência e tecnologia. O Brasil tem investido entre 1% e 1,5%, talvez um pouco mais do PIB em ciência e tecnologia, enquanto a maioria dos países desenvolvidos no mundo investem de 2 a 3, às vezes 4% do PIB em ciência e tecnologia. A discussão que está sendo feita é, como fazer com que o Brasil incorpore o investimento em ciência e tecnologia num projeto de desenvolvimento nacional. Eu trabalho na área de energia, as empresas de energia no Brasil são obrigadas a destinar no mínimo 1% da sua receita líquida em projetos de pesquisa e desenvolvimento e eficiência energética, 0,75 em desenvolvimento e 0,25 em eficiência energética.

Essa lei está em risco. O Congresso Nacional está discutindo derrubar essa lei. Isso é algo que acho importante a gente se organizar inclusive para combater. Porque isso não é uma lei que interfere só no setor energético. A gente pode, dentro do Congresso Nacional, propor ampliar essa lei para outros setores extrativistas para poder financiar o desenvolvimento tecnológico do país no âmbito nacional.

No âmbito estadual a gente tem discutido a constitucionalização do repasse para as universidades estaduais. O estado de São Paulo investe 9,75% e é obrigatório colocar esse recurso nas estaduais, mais o centro Paula Souza. Mas não é constitucional. Então todos os anos esse projeto tem que entrar na Lei das Diretrizes Orçamentárias, que é o executivo que faz. Todos os anos tem que se fazer um movimento em direção a Assembleia para manter esse percentual dentro da Lei de Diretrizes Orçamentárias. Uma forma de garantir esse repasse para as universidades é constitucionalizar. Essas são duas propostas que estamos começando a discutir. Mas especificamente como vai ser feito, ainda não temos em mãos. Estamos debatendo.

Scientific American  — Que diferencial vocês podem oferecer para o leitor em relação aos políticos de perfil mais tradicional?

Walter Neves  Eu olho para os nossos congressistas, principalmente para a bancada evangélica, isso é um outro assunto que esqueci de falar, e fico me perguntando se aquelas pessoas já leram um livro na vida além da bíblia.

Acho que o nível intelectual do nosso congresso é muito baixo. Todo mundo tem o direito de estar representado lá, mas acho que a gente precisa dar uma turbinada no nível intelectual do parlamento.

Uma das coisas que eu gostaria de trabalhar se for eleito é a questão da laicidade do Estado, no ano passado foi aprovado o ensino de religião confessional em escolas fundamental e média. Acho que isso foi um golpe imenso na questão da laicidade do Estado. Continua se dizendo que o Estado é laico mas ao mesmo tempo se aprova o ensino de religião confessional nas escolas. E isso respinga muito na questão que o Brasil...Na medida em que a bancada evangélica está aumentando e ela está aumentando expressivamente, porque a população evangélica também está aumentando muito no país, e é a discussão entre Criacionismo e Evolucionismo. Nós estamos a beira de nos tornarmos o segundo maior país criacionista do planeta.  Então essa também é uma questão que eu gostaria muito de brigar no parlamento

Mariana Moura — Minha ideia é contribuir também para formulação de um programa, um projeto, um norte, um objetivo pro nosso país. Você pode ter um sistema de ciência e tecnologia muito bem estruturado e bem montado com muito dinheiro, que não é o caso hoje, mas pode-se ter muito dinheiro mas fazer ciência só dispersamente. Não se  atinge o desenvolvimento do país. A ciência como motor do desenvolvimento do Brasil é uma das coisas que o PPL vêm desenvolvido nos últimos anos no seu programa e eu pretendo contribuir com essa construção.

Walter Neves Pelo menos no nível federal, temos que retomar o que chamávamos de fomento induzido, tem dois tipos de fomento a pesquisa. Tem o que chamamos de fomento de balcão, qualquer cientista propõe um projeto vai lá e pede dinheiro para fazer aquele projeto. Uma outra coisa é você criar programas de investimento em ciência tecnologia e inovação direcionado para questões candentes do processo de desenvolvimento do Brasil.

Nós tinhamos um programa do ministério de tecnologia chamado PADCT(Programa de apoio ao Desenvolvimento Científico tecnológico) , que era um programa de fomento induzido.Eu trabalhei no programa de ciências ambientais do PADCT e ele foi extinto porque contava com recursos do Banco Mundial, se o Banco Mundial colocava 50%, o governo colocava 50% . O que acontecia era que o Banco Mundial colocava a parte dele mas o governo não colocava sua parte. Com isso, o PADCT foi extinto. É muito importante termos, além desse fomento espontâneo, de balcão, programas de fomento induzido. Isso me parece fundamental.

Seria importante também que outros partidos também lançassem candidatos da comunidade acadêmica para o parlamento, porque o ideal, assim como tem a bancada da bala, a bancada evangélica e tal, também seria bom que tivéssemos o que estou chamando de “a bancada do conhecimento”. Se fôssemos pelo menos meia dúzia de cientistas no parlamento, acho que a gente podia associar algumas pessoas que já estão no parlamento e tem uma formação intelectual, e criar uma bancada do conhecimento.

Carolina Marcheti
Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq