Sciam
Clique e assine Sciam
Notícias

Nasa irá enviar um helicóptero para Marte em 2020

Um helicóptero autônomo voará para o Planeta Vermelho junto com o rover Mars 2020

NASA, JPL-Caltech

Helicóptero de Marte da Nasa viajará com o rover Mars 2020, cujo lançamento está previsto para julho de 2020.

A Nasa anunciou na sexta-feira (11) que incluirá um helicóptero pequeno e autônomo na próxima missão do rover Mars 2020.

A aeronave fará testes por 30 dias assim que chegar ao Planeta Vermelho, para determinar qual a viabilidade de que um objeto mais pesado que o ar viaje sobre a superfície marciana.

“A Nasa tem um histórico de sucessos em primeiras tentativas”, disse o gerente da agência Jim Bridenstine em um comunicado oficial. “A ideia de um helicóptero sobrevoando o céu de outro planeta é sensacional. O helicóptero de Marte é uma promessa para as pesquisas, descobertas e explorações a serem feitas nas futuras missões para Marte.”

O desenvolvimento de um helicóptero para Marte começou em 2013 no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL, na sigla em inglês) da Nasa na Califórnia. Ele pesa pouco menos que 1,8 kg, e seu corpo é do tamanho de uma bola de softball, disseram funcionários da Nasa em um comunicado. Ele carregará células solares para se recarregar com a luz do sol e um mecanismo de aquecimento para aguentar as noites frias do Planeta Vermelho.

As lâminas gêmeas do helicóptero irão rotacionar cerca de 10 vezes mais rápido do que as de um helicóptero na Terra - a 3.000 rpm (rotações por minuto) - para conseguir se sustentar na fina atmosfera marciana.

“O recorde de altitude que um helicóptero alcançou na Terra foi de 12.000 metros”, disse Mimi Aung, gerente do projeto do helicóptero de Marte no JPL. “A atmosfera de Marte é apenas 1% da terrestre, então quando nosso helicóptero estiver na superfície do planeta, já estará em uma altitude equivalente à de 30.000 m na Terra.”

“Para fazê-lo voar em uma densidade atmosférica tão baixa, temos que pensar em todos os fatores para torná-lo o mais leve possível, mas extremamente forte e poderoso”, completou Aung.

O lançamento do Mars 2020 está previsto para julho de 2020. O foguete Atlas V, da United Launch Aliance, será lançado a partir da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, na Flórida. A a missão deve chegar em Marte em fevereiro de 2021. O rover de seis rodas irá procurar sinais de possíveis ambientes habitáveis, bem como locais em que pode ter existido vida microbiana no passado. Essa sondagem do planeta contará com 23 câmeras, um microfone e uma furadeira para coletar amostras.

Os funcionários da Nasa disseram que o helicóptero chegará a Marte preso na barriga do rover. Depois que o rover tocar o solo, irá colocar a aeronave no chão e se mover até uma distância segura para transmitir os comandos; então, os cientistas na Terra irão direcioná-la para que realize seu primeiro voo autônomo.

“Não temos um piloto e a Terra estará a muitos minutos-luz de distância, então não há como controlar essa missão em tempo real”, disse Aung. “Ao invés disso, teremos uma capacidade autônoma que será capaz de receber e interpretar comandos e posteriormente irá continuar a missão sozinha.”

O helicóptero irá realizar até cinco vôos, indo mais longe e operando por mais tempo - até algumas centenas de metros em 90 segundos, disseram as autoridades. Ele também vai subir 3 m e pairar por cerca de 30 segundos.

O helicóptero de Marte é considerado um projeto de alto risco e de alto retorno, de acordo com a NASA: se o helicóptero falhar, isso não afetará o resto da missão do rover Mars 2020, mas, se obtiver sucesso, a agência terá uma nova e poderosa ferramenta de pesquisa no planeta e poderá chegar a locais atualmente inacessíveis.

"A exploração do Planeta Vermelho com o helicóptero de Marte da NASA é um exemplo de um casamento bem sucedido da inovação científica e tecnológica e é uma oportunidade única para avançar a exploração de Marte no futuro", disse em um comunicado Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria da Missão Científica da Nasa. “Depois que os irmãos Wright provaram, há 117 anos, que o vôo sustentado e controlado era possível aqui na Terra, outro grupo de norte-americanos pioneiros pode provar que o mesmo pode ser feito em outro mundo.”

“A capacidade de ver com clareza o que está abaixo será crucial para os exploradores do futuro”, acrescentou. “Já temos ótimas imagens de Marte, tanto da superfície quanto de órbita. Com o ganho de uma visão panorâmica obtida de um "martecóptero", não podemos nem imaginar o que as futuras missões alcançarão."

Sarah Lewin

Para assinar a revista Scientific American Brasil e ter acesso a mais conteúdo, visite: http://bit.ly/1N7apWq